• PORTAL G7

A pedido da CPI, PF faz operação em endereços da Precisa


Empresa intermediou negociações para compra da vacina indiana Covaxin pelo Ministério da Saúde. Caso é um dos principais alvos da CPI da Pandemia, que investiga irregularidades no contrato.



Foto: YouTube



A Polícia Federal (PF) cumpriu nesta sexta-feira (17/09) mandados de busca e apreensão em endereços da empresa Precisa Medicamentos em Barueri e Itapevi, no estado de São Paulo, após solicitação dos senadores da CPI da Pandemia.


A empresa é investigada pela comissão por ter intermediado a compra da vacina indiana Covaxin pelo Ministério da Saúde, em negociações envoltas em uma série de suspeitas de irregularidades.


O alvo da operação desta sexta – autorizada pelo ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal (STF) – foram escritórios da empresa e locais de armazenamento de distribuição de produtos.


A CPI havia pedido que a PF também realizasse buscas no Ministério da Saúde, mas a Procuradoria-Geral da União (PGR) se posicionou contra, e o pedido foi negado.


O vice-presidente da comissão, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AL), disse que a operação visa encontrar o contrato original da Precisa com a Bharat Biotech, farmaucêutica indiana que produz a Covaxin. Segundo ele, a CPI tentou de diversas formas obter o documento e não conseguiu.



A resposta da Precisa


A Precisa Medicamentos negou através de nota qualquer envolvimento em irregularidades, e disse ser "inadmissível, num Estado que se diz democrático de direito, uma operação como essa".


A empresa garante que entregou todos os documentos à CPI, e lembrou que três de seus representantes prestaram depoimento não somente à comissão, mas também à PF e à Controladoria-Geral da União (CGU), além de entregarem toda a documentação exigida ao Ministério Público Federal (MPF) e ao Tribunal de Contas da União (TCU).


A operação desta sexta, segundo a Precisa, "é a prova mais clara dos abusos que a CPI vem cometendo, ao quebrar sigilo de testemunhas e ameaçar com prisões arbitrárias quem não responder as perguntas conforme os interesses de alguns senadores com ambições eleitorais", diz a nota assinada pelos advogados da empresa.


A Precisa afirma ainda que a comissão "ocupa o Judiciário com questões claramente políticas para provocar operações espalhafatosas e desnecessárias", e que, dessa forma, "repete o modus operandi da Lava Jato, com ações agressivas e midiáticas". "Essa busca e apreensão deixará claro que a Precisa Medicamentos jamais ocultou qualquer documento."



O caso Covaxin


O Ministério da Saúde anunciou em fevereiro que havia assinado um contrato para comprar 20 milhões de doses da Covaxin, a 15 dólares por dose, totalizando na época R$ 1,6 bilhão. Nenhuma dose do imunizante chegou ao país, devido a dificuldades de aprovação na Anvisa e outros problemas.


A CPI da Pandemia apura pressões dentro do governo brasileiro para liberação da vacina e suspeitas de superfaturamento, favorecimento e outras irregularidades no contrato.


O líder do governo na Câmara, deputado Ricardo Barros (PP-PR), é apontado como mentor das supostas irregularidades na compra da vacina. O nome dele foi mencionado pelo deputado Luis Miranda (DEM-DF) e seu irmão, o servidor da Saúde Luis Ricardo Miranda.


Em depoimento à CPI, eles disseram que alertaram o presidente Jair Bolsonaro em 20 de março sobre problemas no contrato, e que o presidente teria prometido acionar a Polícia Federal. Entretanto, nenhum inquérito foi aberto após a conversa.


O deputado Miranda também afirmou que Bolsonaro teria dito na ocasião que a Covaxin era um "rolo" de Barros. O presidente se tornou alvo de uma notícia-crime enviada por um grupo de senadores ao Supremo Tribunal Federal por esse motivo.


Após as denúncias, a compra da Covaxin acabou suspensa. Os valores não chegaram a ser pagos pelo governo. O escândalo é investigado não apenas pela Polícia Federal, mas também pelo MPF e o TCU.



Fonte: DW

1 visualização0 comentário