• PORTAL G7

Assalto a transportadora de valores é frustrado em Guarapuava


Operação coordenada pela Polícia Militar do Paraná (PMPR) ocorreu entre a noite de domingo (17) e a madrugada desta segunda-feira (18). De acordo com a Secretaria de Estado da Segurança Pública, os bandidos fugiram sem concluir o assalto.



Fotos: PMPR / SESP



O planejamento ágil e integrado das forças de segurança pública do Paraná impediu que cerca de 30 criminosos fortemente armados obtivessem sucesso na tentativa de assaltar uma empresa de transporte de valores de Guarapuava, na região central do Estado. A operação coordenada pela Polícia Militar do Paraná (PMPR) ocorreu entre a noite de domingo (17) e a madrugada desta segunda-feira (18). O caso está sendo investigado pela Polícia Civil.


De acordo com a Secretaria de Estado da Segurança Pública, os bandidos fugiram sem concluir o assalto, após intensa troca de tiros na região rural de Guarapuava. Mesmo com o bloqueio das entradas e saídas do 16° Batalhão de Polícia Militar, os policiais estavam em ronda e preparados para a ação. Eles puseram em prática o plano de contingência para impedir e ação e preservar a segurança dos moradores.


“Assim que soube da tentativa de assalto em Guarapuava, neste domingo, me reuni com o comandante da Polícia Militar e o secretário de Segurança Pública e determinei que todos os esforços fossem direcionados para o município e a região, inclusive com aeronaves e equipes especializadas. Temos um trabalho muito sério de inteligência e monitoramento desses grupos criminosos e a operação rápida e corajosa das nossas equipes frustrou o assalto”, destacou o governador Carlos Massa Ratinho Junior. “Nossas forças de segurança estão caçando esses bandidos para dar uma pronta resposta à população”.


Secretário de Estado da Segurança Pública, Romulo Marinho Soares, se deslocou de Curitiba para Guarapuava ainda durante a madrugada, com reforço de policiais militares, civis e científicos, em aeronaves do Governo do Estado. Atualmente, além dos 60 integrantes do batalhão regional, outros 200 policiais estão atuando na cidade. Três helicópteros do Estado também estão dando suporte, assim como equipes com cães.


“A situação já é de normalidade porque a operação logrou êxito. Os meliantes fugiram sem concluir o assalto graças à pronta resposta da nossa polícia”, afirmou.





Marinho explicou que a PMPR já contava com um plano para ser usado em situações de risco. A estratégia, ressaltou ele, consistiu em fechar as entradas do município, obrigando os criminosos a seguir para o perímetro rural. A ação fez com que os assaltantes, sem conhecimento das vias, se perdessem e abandonassem o local. Eles abandonaram oito carros blindados utilizados na tentativa de assalto e armamento.


“Tiramos eles do centro da cidade para proteger a população, já que a área em que a empresa está localizada é residencial”, disse o secretário.


“Os bandidos tentaram desviar o nosso foco com informações de assalto a bancos e a existência de reféns, além de fechar a entrada e saída do batalhão da PM. Só não contavam que nossos policiais estavam na rua, em rondas frequentes, Logo foram acionados, chegaram os reforços e já impedimos a ação. Levamos o confronto para o perímetro rural para garantir a segurança da sociedade, obrigando-os a fugir sem sacramentar o assalto”, afirmou o coronel Hudson Leôncio Teixeira, comandante-geral da Polícia Militar do Paraná.


A Polícia Militar está na área rural da cidade em busca dos bandidos e conta com a colaboração da população. Há relatos de que alguns estão feridos. Já a Polícia Científica iniciou o processo de análise do material coletado nas armas e carros que foram abandonados pela quadrilha. “O serviço de inteligência da nossa polícia já sabia do indicativo de que poderia ser alvo deste tipo de crime, por isso nossas tropas estavam preparadas e souberam como agir para impedir o assalto”, disse Teixeira.


Dois policiais e um morador da cidade ficaram feridos durante a ação, que contou com apoio de tropas federais, como a Polícia Rodoviária Federal. O Ministério da Justiça e Segurança Pública vai apoiar a apuração dos fatos.





HISTÓRICO – Essa não é a primeira vez que a Polícia Militar frustrou uma tentativa de roubo semelhante. Em novembro do ano passado, o batalhão impediu que duas agências bancárias na cidade de Três Barras do Paraná, no Oeste, fossem assaltadas. Na ocasião, a resposta rápida envolveu uma complexa operação de inteligência que contou com unidades da região e de Curitiba.


Assim como agora, o grupo criminoso chegou à cidade durante a madrugada e bloqueou todas as rodovias que dão acesso ao município e, em seguida, iniciou, simultaneamente, os ataques. No entanto, as equipes policiais, que já estavam na região, sabiam dos planos do grupo, reagiram e houve confronto armado, frustrando o ataque.




Polícia prende o primeiro suspeito

As forças de segurança do Estado prenderam nesta segunda-feira (18) o primeiro suspeito de envolvimento na tentativa de assalto a uma empresa de transporte de valores de Guarapuava, na região central. O ataque, inibido pelas polícias do Paraná, ocorreu entre a noite de domingo (17) e a madrugada desta segunda.


O homem detido é da própria cidade e, segundo a investigação, está ligado à parte logística de fornecimento de armas à quadrilha, formada por cerca de 30 criminosos. O caso está sob apuração da Polícia Civil do Paraná (PCPR) – o material coletado até o momento será cruzado com impressões digitais nos bancos de dados da própria polícia.


Além disso, a Secretaria de Estado da Segurança Pública (Sesp) confirmou que doze veículos usados pelos bandidos já foram localizados (quatro deles queimados e usados como barreiras pelos criminosos), além de nove armas (entre .50 BMG, 7,62, 5,56 e calibre 12 Combat); uma pistola Glock 9 mm com seletor de rajada; um carregador de AK 47; munições; capacetes e coletes balísticos; balaclavas, facas, celulares e lanternas; um par de placas de veículo sobressalente (EPS7D07); e R$ 1,4 mil em espécie.


Atualmente, além dos 60 integrantes do batalhão regional, outros 200 policiais atuam na cidade, especialmente no perímetro rural do município, em busca de mais suspeitos. Três helicópteros do Estado também estão dando suporte à operação, assim como equipes com cães. A Polícia Militar conta com a colaboração da população.


"Vamos seguir aqui até que o caso seja solucionado, garantindo tranquilidade à população de Guarapuava”, afirmou o coronel Hudson Leôncio Teixeira, comandante-geral da Polícia Militar do Paraná. “Os indivíduos tentaram acessar os cofres, mas não conseguiram. Eles fizeram disparos contra nossos policiais e, na fuga, abandonaram veículos e armamento”.





INVESTIGAÇÃO – Para auxiliar diretamente na elucidação da ação criminosa em Guarapuava, a PCPR está realizando investigações de alta complexidade com o cruzamento de informações da inteligência. Equipes de operações especiais estão nas ruas cumprindo diligências para localizar os criminosos, como acessar câmeras de segurança e coletar relatos de moradores.


Além disso, papiloscopistas estão trabalhando na apuração de vestígios de impressões digitais em objetos, veículos e locais de crime. O material coletado será confrontado com impressões digitais nos bancos de dados da PCPR para a identificação dos criminosos.


A Polícia Científica também enviou peritos do Instituto de Criminalística de unidades de Curitiba e Guarapuava para agilizar as perícias e demais exames a partir dos materiais deixados pelos criminosos, como carros, munições, armas, e diversos outros tipos de vestígios dos criminosos. A partir disso, será possível emitir laudos e apontar indícios de autoria.





CASO – O planejamento ágil e integrado das forças de segurança pública do Paraná impediu que cerca de 30 criminosos fortemente armados obtivessem sucesso na tentativa de assaltar a empresa de transporte de valores de Guarapuava. A operação coordenada pela PMPR e contou com apoio das forças federais de segurança, como a Polícia Rodoviária Federal.


De acordo com a Sesp, os bandidos fugiram sem concluir o assalto, após intensa troca de tiros na região rural de Guarapuava. Mesmo com o bloqueio das entradas e saídas do 16° Batalhão de Polícia Militar, os policiais estavam em ronda e preparados para a ação. Eles puseram em prática o plano de contingência para impedir e ação e preservar a segurança dos moradores.


A PMPR já contava com um plano para ser usado em situações de risco. A estratégia consistiu em fechar as entradas do município, obrigando os criminosos a seguir para o perímetro rural. A ação fez com que os assaltantes, sem conhecimento das vias, se perdessem e abandonassem o local.


“A operação deu certo porque a polícia contava com equipamentos modernos, sejam viaturas ou armamentos. O investimento por parte do Governo do Estado na renovação da frota e dos materiais permitiu acompanhar os bandidos, que estavam fortemente armados, e garantir a segurança da população”, disse o comandante do 16º Batalhão de Polícia Militar do Paraná (BPM), tenente-coronel Joas Marcos Carneiro Lins.


Dois policiais e um morador da cidade ficaram feridos durante a ação. O Ministério da Justiça e Segurança Pública vai apoiar a apuração dos fatos.



Fonte: AEN


3 visualizações0 comentário