• PORTAL G7

Atendimento a emergências é simulado no Autódromo de Pinhais


Bombeiros, socorristas, policiais civil e militar, guarda municipal e defesa civil participaram da experiência de um desabamento fictício, com muitas vítimas. Fez parte do curso o preparo de equipes para atuar em casos de calamidade.



Foto: SESA / Albari Rosa



Mais de 230 profissionais do Corpo de Bombeiros, Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), polícias Civil e Militar, Guarda Municipal de Curitiba e Defesa Civil do Paraná, além da Força Nacional do SUS, tiveram uma manhã de desafios nesta sexta-feira (25), no município de Pinhais, Região Metropolitana de Curitiba.

Eles participaram de uma simulação realística de um desabamento de edifício envolvendo várias vítimas. O “colapso da edificação” foi realizado no antigo autódromo de Pinhais, situado na Região Metropolitana de Curitiba, que está em processo de demolição e serviu como cenário para treinamento das forças de urgência e emergência do Paraná.

A experiência fez parte do curso que a Força Nacional do SUS realiza no Paraná, em parceria com a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa). O curso Incidente com Múltiplas Vítimas (IMV) visa fortalecer o preparo de equipes estaduais e municipais para atuar em casos de calamidade pública, como desastres naturais, eventos de massa, ou em situações de emergência graves que envolvem várias vítimas. O treinamento começou na quarta-feira (23) e foi finalizado com essa experiência prática, nesta sexta.


Na simulação, o antigo autódromo de Pinhais se tornou um grande laboratório a céu aberto com ambulâncias, viaturas do Corpo de Bombeiros, de controle de trânsito, do Instituto Médico Legal (IML), além de dois helicópteros de resgate e a participação de pessoas que atuaram como vítimas no teste.

No início da simulação realística, houve um estouro de uma bomba que deixou o local como se um edifício tivesse desmoronado. Voluntários que participaram da ação simularam estarem feridos e presos nos escombros. A partir daí, a cena de resgate e primeiros socorros se desenrolou.

O acionamento das ambulâncias, a chegada dos bombeiros, e das outras equipes de resgate foram dentro do tempo real, assim como a chegada dos dois helicópteros envolvidos na ação. Cães farejadores, pessoas que tumultuavam o local ou eram familiares, imprensa, tudo isso fez parte do cenário. A intenção era deixar a cena mais próxima possível da realidade.


“Desde novembro de 2021 estamos alinhando esse encontro e trabalho conjunto com a forças de atendimento. A rapidez e maior qualificação desses profissionais pode salvar mais vítimas em catástrofes e incidentes graves. Não queremos nem esperamos que acidentes graves aconteçam no Paraná, mas temos de estar preparados”, ressaltou o secretário da Saúde, Beto Preto.

Instrutores especialistas da Força Nacional do SUS, com participação do Corpo de Bombeiros, Defesa Civil e Sesa, repassaram conteúdos e experiências aos cerca de 230 participantes deste treinamento. É a primeira vez que a equipe do Ministério da Saúde realiza o curso no Paraná.

“Começamos o treinamento com teoria, simulados de mesa e realística, além dos debates. Toda força do Estado foi acionada para esta ação integrada. Pretendemos criar a força estadual e estamos alinhando isso com os estados, para ser um braço do Governo Federal nessa área”, disse o coordenador da Força Nacional do SUS, Moura Filho.



FN-SUS – Criada em 2011, a Força Nacional SUS é responsável por medidas de prevenção, assistência e controle de situações epidemiológicas, desastres naturais ou situação de desassistência à população, quando se esgota a possibilidade de resposta ou haja necessidade de apoio ao estado ou município.


Ao longo desses anos, a Força atuou em mais de 53 missões com 500 voluntários, como no enfrentamento do momento mais crítico da pandemia da Covid-19 em Manaus e em outros estados.



Fonte: AEN

2 visualizações0 comentário