• PORTAL G7

Brasil: Novo recorde de 3.780 mortes; quase 84,5 mil novos infectados


País acumula mais de 317,6 mil mortes e de 12,6 milhões de diagnósticos positivos de Covid-19, desde o início da pandemia. Recuperados correspondem a 87,5% do total contaminados.



Foto: YouTube



O Brasil bateu novo recorde de mortes por Covid-19 registradas em 24 horas: 3.780. Com essa nova triste marca, superou o maior resultado anterior, do dia 26 de março, quando foram confirmadas 3.650 vidas perdidas para a doença.


O total não considerou os dados do estado de Roraima, que não foram incluídos no balanço diário do Ministério da Saúde de hoje (30).


Com os novos números, a soma de vidas perdidas para doença subiu para 317.646. Ainda há 3.580 mortes em investigação por equipes de saúde. Isso porque há casos em que o diagnóstico sobre a causa do óbito só sai após o óbito do paciente.


Já o total de pessoas infectadas pelo novo coronavírus desde o início da pandemia chegou a 12.658.109. Entre ontem e hoje, foram confirmados 84.494 novos diagnósticos.


O número de pessoas recuperadas foi a 11.074.483. Já a quantidade de pacientes com casos ativos, em acompanhamento por equipes de saúde, ficou em 1.285.980.


Os dados em geral são menores aos domingos e segundas-feiras pela menor quantidade de trabalhadores para fazer os novos registros de infectados e de mortes. Já às terças-feiras eles tendem a ser maiores, já que neste dia o balanço recebe o acúmulo das informações não processadas no fim-de-semana.





Estados


O ranking de estados com mais mortes pela Covid-19 é liderado por São Paulo (73.492), Rio de Janeiro (36.432), Minas Gerais (23.915), Rio Grande do Sul (19.432) e Paraná (16.521).


Já as Unidades da Federação com menos óbitos são Acre (1.253), Amapá (1.292), Roraima (1.320), dados referentes a ontem, Tocantins (2.007) e Sergipe (3.478).



Vacinação


Até o início da noite de hoje, haviam sido distribuídas 34,9 milhões de doses de vacinas.


Deste total, foram aplicadas 18,1 milhões de doses, sendo 14 milhões da 1.ª dose e 4,1 milhões da 2.ª dose.



Fonte: Agência Brasil

3 visualizações0 comentário