• PORTAL G7

Capacitação e mutirões são prioridades do Estado para geração de emprego


Secretário de Estado da Justiça, Família e Trabalho apresentou programas e ações neste setor em audiência pública na Assembleia Legislativa. Estado lidera o ranking nacional de empregos encaminhados pelas Agências do Trabalhador.



Foto: Alep / Orlando Kissner



A Secretaria de Justiça, Família e Trabalho (Sejuf) participou nesta quinta-feira (26) da audiência pública sobre o mapa do emprego no Paraná e os efeitos da pandemia, promovida pela Assembleia Legislativa. O secretário Rogério Carboni e a chefe do Departamento do Trabalho, Suelen Glinski, apresentaram o relatório de programas e ações da pasta.

O destaque ficou por conta dos programas de qualificação profissional, como as Carretas do Conhecimento, uma parceria do Governo do Estado com o Senai e a Fundação Volkswagen, que até o final do ano terá capacitado 10 mil trabalhadores de forma completamente gratuita. Também foi destacada a segunda fase do projeto Recomeça Paraná, que oferece capacitação na área de empreendedorismo e, ao final do curso, repassa R$ 900 a cada participante como incentivo para o início das atividades na área.

“A qualificação da mão de obra é o maior desafio colocado para o Paraná nessa retomada econômica no pós-pandemia. O Paraná em média disponibiliza cerca de 10 mil vagas por semana nas Agências do Trabalhador, porém estamos conseguindo preencher apenas metade dessas vagas. Para melhorar esse aproveitamento e seguirmos na liderança da geração de emprego precisamos investir pesado na capacitação profissional”, afirmou o secretário.

Também foram apresentados os programas Emprega Mais Paraná, que leva o ônibus da Agência do Trabalhador Itinerante para realização de mutirões de emprego em diversas cidades do Paraná, e o Cartão Futuro, com o qual o governo estimula o primeiro emprego, através do custeio de parte do salário pago pelas empresas participantes (R$ 300 para cada jovem aprendiz, e R$ 450 para cada pessoa com deficiência ou egresso do sistema socioeducativo).

“O diálogo constante com o setor produtivo é fundamental, seja para captação de vagas para a rede Sine, seja para firmar parcerias que temos com o Sistemas da Indústria e do Comércio e outras entidades do setor produtivo”, completou Carboni.


INDICADORES – Também foram destaques na audiência o bom desempenho do Paraná em indicadores como o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho e Previdência, que mostra o saldo de empregos formais mensalmente, e a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) do IBGE, que apresenta a Taxa de Ocupação e a Taxa de Desemprego.

“O Paraná tem números sólidos na geração de empregos, só em 2021 foram mais de 170 mil empregos gerados, ocupando o quarto lugar no ranking nacional. Já no ranking de empregos gerados através da nossa intermediação com o setor produtivo, o Paraná é líder nacional, tanto em vagas captadas quanto em vagas preenchidas, chegando a preencher mais que o dobro que o segundo colocado”, explicou Suelen Glinski.

A rede Sine do Paraná é composta por 22 Escritórios Regionais, 216 Agências do Trabalhador e 183 Postos Avançados, além de iniciativas inéditas no Brasil como a Agência do Trabalhador da Cultura e o Posto Avançado no Centro Estadual de Informações para Migrantes, Refugiados e Apátridas do Paraná (CEIM).


A audiência está no canal do YouTube da Assembleia Legislativa do Paraná. Confira a apresentação das ações AQUI .



Fonte: AEN

0 visualização0 comentário