• PORTAL G7

COVID-19 no Brasil: “E daí?” (OPINIÃO)


Editorial - Revista The Lancet





"Talvez a maior ameaça à resposta do COVID-19 no Brasil

seja seu presidente, Jair Bolsonaro."



A pandemia da doença de coronavírus 2019 (COVID-19) chegou à América Latina depois de outros continentes. O primeiro caso registrado no Brasil foi em 25 de fevereiro de 2020. Mas agora, o Brasil tem mais casos e mortes na América Latina (105 222 casos e 7288 mortes em 4 de maio), e essas provavelmente são subestimadas substanciais.


Ainda mais preocupante, a duplicação da taxa de mortes é estimada em apenas 5 dias e um estudo recente do Imperial College (Londres, Reino Unido), que analisou a taxa de transmissão ativa do COVID-19 em 48 países, mostrou que o Brasil é o país com a maior taxa de transmissão (R 0de 2, 81).


Grandes cidades como São Paulo e Rio de Janeiro são os principais pontos quentes agora, mas há preocupações e sinais precoces de que as infecções estão se movendo para o interior para cidades menores, com provisões inadequadas de leitos e ventiladores para terapia intensiva. No entanto, talvez a maior ameaça à resposta do COVID-19 no Brasil seja seu presidente, Jair Bolsonaro.


Quando perguntado pelos jornalistas na semana passada sobre o número cada vez maior de casos do COVID-19, ele respondeu: “E daí? O que você quer que eu faça?" Ele não apenas continua a semear confusão, desrespeitando abertamente as medidas sensatas de distanciamento e bloqueio físico trazidos pelos governadores e prefeitos, mas também perdeu dois ministros importantes e influentes nas últimas três semanas.


Primeiro, em 16 de abril, Luiz Henrique Mandetta, o respeitado e respeitado Ministro da Saúde, foi demitido após uma entrevista na televisão, na qual criticou fortemente as ações de Bolsonaro e pediu unidade, ou corre o risco de deixar os 210 milhões de brasileiros totalmente confusos.


Em 24 de abril, após a remoção do chefe da polícia federal do Brasil por Bolsonaro, o ministro da Justiça Sérgio Moro, uma das figuras mais poderosas do governo de direita e nomeada por Bolsonaro para combater a corrupção, anunciou sua renúncia.


Essa desordem no coração do governo é uma distração mortal no meio de uma emergência de saúde pública e também é um forte sinal de que a liderança do Brasil perdeu sua bússola moral, se é que alguma vez a teve.


Mesmo sem o vácuo de ações políticas em nível federal, o Brasil teria dificuldade em combater o COVID-19. Cerca de 13 milhões de brasileiros vivem em favelas, geralmente com mais de três pessoas por quarto e pouco acesso à água potável.


Recomendações de distanciamento físico e higiene são quase impossíveis de seguir nesses ambientes - muitas favelas se organizaram para implementar as medidas da melhor maneira possível. O Brasil possui um grande setor informal de emprego, com muitas fontes de renda que não são mais uma opção.


A população indígena estava sob séria ameaça mesmo antes do surto do COVID-19, porque o governo ignorou ou até incentivou a mineração e extração ilegal de madeira na floresta amazônica. Esses madeireiros e mineradores agora correm o risco de levar o COVID-19 a populações remotas. Uma carta aberta em 3 de maio por uma coalizão global de artistas.


O que a comunidade de saúde e ciência e a sociedade civil estão fazendo em um país conhecido por seu ativismo e oposição franca à injustiça e à desigualdade e à saúde como um direito constitucional?


Muitas organizações científicas, como a Academia Brasileira de Ciências e a ABRASCO, há muito se opõem a Bolsonaro por causa de severos cortes no orçamento da ciência e uma demolição mais geral da previdência social e dos serviços públicos.


No contexto do COVID-19, muitas organizações lançaram manifestos voltados ao público, como o Pacto pela Vida e o Brasil.- e declarações e pedidos por escrito a funcionários do governo que pedem unidade e juntaram soluções.


Bater nas varandas como protesto durante os anúncios presidenciais acontece com frequência. Há muita pesquisa em andamento, da ciência básica à epidemiologia, e há uma produção rápida de equipamentos de proteção individual, respiradores e kits de teste.


Essas são ações esperançosas. No entanto, a liderança no mais alto nível do governo é crucial para evitar rapidamente o pior resultado dessa pandemia, como é evidente em outros países.


Em nossa série Brasil 2009, os autores concluíram: “O desafio é, em última análise, político, exigindo o envolvimento contínuo da sociedade brasileira como um todo para garantir o direito à saúde de todos os brasileiros”.


O Brasil como país deve se unir para dar uma resposta clara ao "E daí?" pelo seu Presidente. Ele precisa mudar drasticamente o curso ou deve ser o próximo a sair.



The Lancet é uma revista científica sobre medicina, publicada semanalmente e com revisão por pares. É uma das mais antigas e conhecidas revistas médicas do mundo e descrita como uma das mais prestigiadas, publicada pela Elsevier, no Reino Unido, pelo Lancet Publishing Group.


8 visualizações0 comentário